“Passarim quis pousar, não deu, voou”

Quando o sufoco já não consegue anular a tenacidade do fluxo sanguíneo, todo o corpo então amarelo tristeza de estagnação sublima devido ao calor de uma nova respiração. É como voo de passarim, tiro de canhão.

Não há contra-vontade que segure!

O perfume da flor ainda está lá. Ficou. Ficou porque precisa ser conduzido na dança para cheirar além da flor. Passarim que não voa, não sente novo perfume. Ainda bem que eu, depois de vestido de passarim, não pousei. Eu também não quero ficar sentado.

Anúncios

2 Respostas para ““Passarim quis pousar, não deu, voou”

  1. Como faço pra resolver aquele problema do wordpress que ao digitar no titulo dava certo e no corpo do email nao? Procurei respostas e a sua dúvida foi uma das poucas coisas que achei.

  2. Me lembra uma história tão linda quanto a sua poesia.

Já pode comentar...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s